Casa de família | Capítulo 1

Móveis antigos e relíquias colecionadas há anos trazem aconchego ao apê

Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio.

Não é todo mundo que trocaria um imóvel gigante, com piscina e jardim, por um apartamento menor, mas Valéria Rodrigues preferiu abrir mão do espaço em nome da praticidade e de uma localização melhor. Hoje, cinco anos depois, ela não se arrepende nem um pouco da decisão. Afinal, a casa antiga era moderna, bem iluminada, segura e confortável, porém não fazia mais sentido encarar a manutenção diária sendo que suas duas filhas já estavam crescidas e prestes a deixar o ninho. Então Valéria mudou de endereço, mas levou consigo tudo o que tinha de mais precioso: memórias, móveis de família e coleções garimpadas mundo afora.

decoracao-historiasdecasa-familia-01

decoracao-historiasdecasa-familia-02

decoracao-historiasdecasa-familia-03

Situado no bairro do Jardins, a poucos passos de bons restaurantes e lojas, o novo apê conquistou sua futura moradora pela metragem generosa e, curiosamente, pelo fato de estar quase abandonado e com todos os elementos originais, sem ter sofrido praticamente nenhuma alteração ao longo dos anos. Valéria, que sempre teve uma quedinha por decoração e já tocou outras obras sozinha, se sentiu como uma artista diante de uma tela em branco. O impulso de reformar foi irresistível e o quebra-quebra acabou se estendendo por quase todos os cômodos.

O primeiro ambiente a mudar de lugar foi a cozinha, que passou a ocupar a posição da copa e se integrou completamente à área social – aliás, esse espaço também perdeu a maioria das paredes. Para viabilizar essa alteração, a área de serviço foi reduzida pela metade e mesmo assim continua grande o suficiente. Já a antiga cozinha foi desativada e virou um aconchegante escritório para a filha mais nova, Beatriz, que irá se casar em breve. Os três quartos da planta original se transformaram em dois, porém mais amplos, com banheiros e closets individuais, além de muita iluminação natural.

decoracao-historiasdecasa-familia-04

decoracao-historiasdecasa-familia-05

decoracao-historiasdecasa-familia-07

Com a estrutura finalizada, chegou a hora de determinar onde ficaria cada uma das peças mais importantes da família. Valéria mediu cuidadosamente armários, poltronas e cadeiras e tentou dispor todos os móveis da melhor maneira possível, no entanto ela confessa que não foi uma tarefa simples reorganizar coisas de uma casa de 1.200 m² em um apartamento de 250 m². A seleção do que levar foi rigorosa, mas por sorte ela sempre teve em mente quais eram os seus itens favoritos e indispensáveis.

O interesse nato da moradora pela decoração e pela arte influenciou inclusive sua filha mais velha, Juliana Daidone. Nas prateleiras da estante e sobre os aparadores, os objetos da loja se misturam a artigos colecionados há décadas ou herdados de parentes e amigos. Das cidades e países que teve oportunidade de conhecer, Valéria sempre traz alguma recordação diferente, dos tapetes e azulejos da Turquia a qualquer tipo de quinquilharia que lhe desperte o olhar. Além das coleções de chaves e de miniaturas de móveis, ela tem um carinho maior pelo engradado de metal bem velho com quatro garrafas de sifão encontrado nos fundos de um café em Gramado por puro acaso.

decoracao-historiasdecasa-familia-08

decoracao-historiasdecasa-familia-09

decoracao-historiasdecasa-familia-10

decoracao-historiasdecasa-familia-15

Na entrada do apê fica uma peça mais especial ainda: o espelho com suporte de madeira que pertencia ao avô da proprietária. Como ele era alfaiate, o móvel era usado para as provas dos ternos, então é carregado de lembranças. O mesmo vale para o jogo de cadeiras e mesinha de ferro que era da varanda da casa da avó, no interior de São Paulo, e agora é exibido com orgulho na sala de estar. Na verdade, quase tudo tem um gostinho de passado e de história: a penteadeira da suíte principal, que foi o primeiro item comprado com o próprio salário na juventude; a cristaleira da cozinha, que era de sua mãe; a outra penteadeira, que fica no quarto da filha e foi presente do avô das meninas; a cômoda do escritório, herdada do irmão… Tudo é importante à sua maneira.

decoracao-historiasdecasa-familia-11

decoracao-historiasdecasa-familia-12

decoracao-historiasdecasa-familia-13

decoracao-historiasdecasa-familia-14

Valéria faz questão de ter em casa apenas coisas que a encantem e que tenham significado. Ela mistura sem medo peças de design assinado, como a clássica poltrona Mole, de Sergio Rodrigues, a outras rústicas e simples. No fundo, ela gosta mesmo é dos contrastes: “Nem tudo obedece a uma estética ou lógica estabelecida, mas apenas à minha visão e à minha lógica, que pode não ser a de mais ninguém”.

Está gostando da visita? Então fique de olho porque nos próximos dias vamos publicar o segundo capítulo desse apê…

Continua-final

Fotos por Rafaela Paoli

Deixe seu comentário 6 Comentários

  1. Casa linda amei o armário azul e a cozinha

    Responder
  2. Gente, quero morar nessa agora AGORA! <3

    Responder
  3. Obrigada, meninas!! Ficou lindo o trabalho de vocês!
    Adorei receber vocês em casa!
    Beijos meus, da Bia, do Zé e do Caetano!

    Responder
  4. Todo, todo me gustó, la combinación de los detalles le dan significado a la casa y la convierte en el reflejo de las dueñas, felicidades!!!

    Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags