Uma visita ao passado | Capítulo 1

Um apartamento que mistura os estilos vintage e kitsch

Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio.

Como uma casa de vó. É assim que o empresário Felipe Raposo de Medeiros define o apartamento onde vive ao lado do arquiteto espanhol Juan Cabello Arribas. Já Juan diria que seu lar é uma casa pendurada no ar – dá para entender o porquê quando vemos a quantidade de plantas que o casal cultiva na sala de estar, na varanda e até dentro da banheira, como se tudo fizesse parte de um grande jardim. De um jeito ou de outro, vale dizer que o lugar é o paraíso para quem curte mobiliário vintage e peças curiosas com um temperinho kitsch. Descubra agora como essa história começou…

Por mais improvável que pareça, Felipe e Juan se conheceram em um reality show. Quer dizer, nos bastidores de um reality show. Ambos estavam trabalhando na produção de um programa de TV espanhol na Ilha de Boipeba, na Bahia, quando seus caminhos se cruzaram. A partir daí não demorou muito até que o arquiteto resolvesse se mudar de vez para o Brasil; por consequência, para o mesmo endereço de Felipe. Durante três anos eles dividiram um imóvel em plena Av. São João, porém com o tempo sentiram necessidade de mais espaço.

A busca por um novo apê os levou a uma rua movimentada no centro da cidade, pertinho de ícones da arquitetura paulistana, como o Edifício Copan. O engraçado é que a sugestão da corretora foi tão certeira que o casal nem precisou de iluminação natural para se apaixonar pelos ambientes bem distribuídos – a primeira visita, feita à noite e apenas com a luz do celular, foi o bastante para os conquistar.

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-02

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-01-plantas

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-03

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-04

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-05

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-06

Seguindo o modelo da maioria dos imóveis antigos, o apartamento não possui cômodos integrados, mas as janelas que vão de ponta a ponta e o pé-direito alto acabam compensando e trazendo uma gostosa sensação de amplitude. A mudança de Felipe e Juan não envolveu grandes alterações estruturais e o quebra-quebra ficou restrito ao piso da cozinha, que precisou ser trocado por estar em péssimo estado. Originais de 1957, o assoalho de ipê e o granilite foram recuperados até que voltassem a ter o mesmo charme do passado.

Os moradores brincam dizendo que “re-habitaram” a casa, já que sua presença injeta uma boa dose de vida em espaços que um dia foram quase esquecidos. Sem pressa de terminar, o casal passou mais de um ano com paredes vazias e poucos itens, tentando, antes de tudo, sentir a necessidade de cada ambiente: “Só começamos a entender bem o apê meses depois de vir morar aqui. Quando passamos a “re-conhecer” os lugares, surgiu a vontade de vesti-los com as nossas coisas e com a nossa cara.”, contam.

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-07

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-08

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-09

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-10

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-11

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-12

Falar sobre os móveis e objetos da dupla é falar sobre um universo encantado de coisas. Aqui quase nada é convencional, nem mesmo as cortinas – aliás, elas foram a primeira aquisição do apartamento. Já as peças maiores possuem as mais variadas origens: muitas pertenceram às avós de Felipe, Sula e Ayrosa; outras vieram de Madrid na bagagem de Juan; algumas foram encontradas em um antiquário improvisado na Brasilândia, como o sofá verde, a penteadeira e a estante-bar da sala; e por aí vai… Os moradores sempre gostaram de procurar itens velhos e trazê-los de volta à vida, porém não se interessam por lojas arrumadinhas ou “fáceis” demais. Para eles o que vale mesmo é achar no antigo novos futuros: “Esses móveis contam histórias, e não só de seus proprietários, mas dos lugares onde foram fabricados, ou das mãos dos artesãos… São vários sentimentos juntos.”.

Uma das estrelas do living é o sofá azul herdado por Felipe, que precisou ser reconquistado. Como ele viveu fora do Brasil por um tempo, a peça tinha sido vendida para uma amiga. Na volta ao país, lá foi ele tentar comprar o sofá de volta – e não é que conseguiu? Compondo o conjunto de um jeito original e descombinado está a poltrona Acapulco, resultado de um concurso promovido por uma marca de design espanhola no facebook. Sortudo, Juan ganhou o prêmio ao mandar uma foto da sala vazia. A mesa de centro não é menos atraente: com formas orgânicas, ela tem um recorte estratégico para acomodar mais um vaso de plantas. Até o carrinho de chá tem um passado bacana, pois ele pertenceu a um antigo hotel da Av. São João.

Cobertas por quadros e fotografias, as paredes formam uma espécie de galeria dos amigos do casal, sendo que todas as obras foram presentes deles ou feitas pelos próprios moradores. “Temos imagens da fotógrafa Debby Gram, das artistas Manuela Eichner e Simone Sapienza Siss, do pintor espanhol Fernando Somoza, da arquiteta Carol Gay, do fotógrafo Felipe Morozini…”, lista Juan.

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-13

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-14

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-15

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-16

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-17

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-18

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-19

decoracao-apartamento-vintage-retro-historiasdecasa-20

Criado pelo acaso, sem muita pretensão, o apê de Felipe e Juan é um apanhado de itens descobertos por acidente. Os dois confessam que sempre estiveram ligados a esse tipo de “reciclagem” e que ao invés da decoração propriamente dita, eles preferem pensar na ocupação dos espaços e em como eles vão representar quem os habita. “Não entendo a decoração como uma profissão, mas sim um exercício de autoconhecimento. É importante perceber que o universo dos objetos é paralelo ao da nossa existência. No fim gosto mais da relação entre as coisas do que das coisas em si.”, resume Juan.

Quem ficou curioso para conhecer os outros ambientes compartilhados pelo casal pode conferir tudo na íntegra amanhã aqui no blog. Não vai perder!

Continua-final

Fotos por Luiza Florenzano

Deixe seu comentário 7 Comentários

  1. Tanto amor! Adorei 😉

    Responder
  2. Realmente é uma casa de vó. Da vontade de entrar tomar um cafezinho e bater longos papos. Amei muito linda!

    Responder
  3. to amando esse apê

    Responder
  4. Que casa maravilhosa! Cheia de lembranças, amor e plantas!

    Responder
  5. me imagino sentada no sofá azul ouvindo Chico, Gil e conversando com amigos… rsrsrs

    Responder
  6. Gente, ambiente lindo, amei, amei e amei cada detalhe, cheio de vida, aconchego, personalidade e histórias, parabéns…

    Responder
    • O apê deles é muuuuito incrível né? Também amamos o quanto a decoração é única 🙂

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags