Um apê sem barreiras | Capítulo 1

Após a reforma o imóvel antigo se transformou por completo

Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio.

Enquanto passeava pelas ruas do bairro Santa Cecília em busca de um apartamento para chamar de seu, a publicitária Diana Junqueira Leite encantou-se por um charmoso prédio dos anos 50. A fachada não trazia nenhuma placa de ‘vende-se’, mas mesmo assim ela se sentiu tentada a checar com o zelador. Para sua surpresa ele respondeu que sim, havia um imóvel disponível, porém suas condições eram péssimas. Sem se deixar abalar Diana foi conferir o lugar e descobriu um apê com elementos que a atraíram ainda mais: janelões, pé-direito alto, iluminação natural de sobra, piso de tacos e uma disposição harmoniosa dos ambientes.

“Quando abri a porta eu visualizei tudo o que queria para minha primeira casa, mas realmente o apartamento estava muito malcuidado, com paredes beges misturadas a paredes azuis que diminuíam o espaço, acabamentos velhos e corroídos, muita sujeira e nenhum cômodo em bom estado. No entanto, o que seria o pesadelo de muitos, era o meu ideal para a reforma que já tinha em mente.”, revela a moradora, que contou com o apoio do fotógrafo Ulisses Barbosa, seu marido, nessa empreitada. Cinco anos se passaram desde o encontro de Diana com o prédio e, além do quebra-quebra, o próprio tempo ajudou a depurar a decoração, recheada de peças queridas e lembranças de vida.

04-decoracao-sala-estar-integrada-tijolinho-branco

02-decoracao-sala-estar-integrada-sofa-roxo-amarelo-cortinas

05-decoracao-sala-estar-integrada-tijolinho-branco-prateleiras-estante

06-decoracao-sala-estar-integrada-coluna-concreto-aparente

07-decoracao-poltrona-acapulco-tijolinho-branco

08-decoracao-objetos-telefone-antigo-tijolinho

03-decoracao-buffet-amarelo-parede-tijolinho-branco

Por trabalhar com cenografia e direção de arte de filmes Diana já tinha um olhar treinado para a decoração e sabia muito bem o que gostaria de alterar no apê. Mesmo antes de começar a obra cada ambiente tinha sua pasta de inspiração com referências de blogs gringos, paletas de cores e outros detalhes, porém foi sua irmã, a arquiteta Renata Leite, que conseguiu tirar todos esses planos do papel. Enquanto a moradora pensava no styling e nos objetos que usaria para finalizar cada espaço, Renata elaborava o projeto levando em conta a estrutura original, a volumetria, os acabamentos e a nova configuração dos cômodos. As mudanças, que não foram poucas, transformaram o lugar em um refúgio colorido.

O objetivo do casal era ter uma casa livre e ampla, onde tudo e todos estivessem sempre em contato, portanto a primeira decisão da reforma foi a retirada das paredes que ficavam entre a sala, a cozinha e os dois quartos – um deles foi integrado à área social e hoje serve como home office, o outro ganhou cortinas brancas no lugar de portas. A parte dos banheiros é a única fechada do apartamento, o restante é todo aberto. “Nossa ideia era transformar o apê em um estúdio, como os lofts nova-iorquinos, por isso os acabamentos seguem essa linha mais crua e brutalista, com colunas de concreto, paredes descascadas que deixam os tijolos à vista e tubulação elétrica aparente.”, explica Diana. A iluminação, feita com trilhos e spots de luz normalmente usados em teatros, completa essa atmosfera despretensiosa.

01-decoracao-sala-estar-integrada-tijolinho-branco-amarelo

10-decoracao-tijolinho-branco-prateleira-suspensa-mesa-jantar

11-decoracao-tijolinho-branco-concreto-aparente-prato

12-decoracao-tijolinho-diana-leite-arranjo-flores

13-decoracao-tijolinho-diana-leite-arranjo-flores

09-decoracao-plantas-tijolinho-branco-prateleira-suspensa

Garimpeira de mão cheia, a publicitária comprou poucos itens novos, apenas as mesas, as cadeiras brancas da sala de jantar e o sofá roxo, um de seus xodós. Entre os itens antigos estão a poltrona verde vintage pechinchada na feira de antiguidades do Bixiga, com tecido original da época, o buffet amarelo, encontrado em uma casa adquirida pela família de Diana e restaurado por ela, um abajur comprado por seu pai e caixas industriais achadas em um ferro-velho no interior de São Paulo. Tem também os presentes de casamento, que incluem a cadeira Acapulco preta, a cristaleira vinda de um antiquário, o espelho veneziano e o guarda-vinil, feito sob medida. As câmeras fotográficas e as revistas de música são coleções de Ulisses que se espalham aqui e ali e os quadros de borboletas e pássaros vieram de uma viagem a Londres.

“Gosto de um garimpo afetivo também, buscando coisas na família. O arquivo verde é do meu pai e estava guardado em perfeito estado, a cômoda do quarto é um armário de mantimentos que pertencia à minha avó, a máquina de escrever era da minha mãe quando jovem e ainda funciona perfeitamente e por aí vai. Já a escadinha laranja era do consultório do meu avô há muitas décadas e eu sempre adorei a peça, tanto que desde pequena pedia para ficar com ela. Hoje isso me traz lindas recordações deles.”, conta Diana.

14-decoracao-tijolinho-quadros-plantas-vintage

15-decoracao-tijolinho-escada-mala-vintage-pisca-pisca

16-decoracao-escritorio-home-office-janela-plantas

17-decoracao-escritorio-home-office-janela-plantas

18-decoracao-escritorio-home-office-janela-plantas-violao

19-decoracao-diana-leite-apartamento-parede-vermelha

20-decoracao-diana-leite-apartamento-parede-vermelha

Sempre que o casal descobre um novo tesouro ou ganha algum presente bacana os espaços mudam um pouquinho. “Isso renova as energias da casa e faz alguns móveis e objetos escondidos aparecerem mais. Temos poucas coisas fixas e isso foi intencional, pois eu queria ter a liberdade de alterar a posição das peças.”. Graças ao projeto de Renata e ao bom gosto de Diana, o apartamento encontrou o equilíbrio entre mundos opostos, como moderno e vintage ou industrial e feminino. “Tenho orgulho dessa combinação ter dado certo e de termos feito tudo juntos e aos poucos. Nossa decoração não foi comprada pronta, ela é construída e transformada o tempo todo.”, resume a moradora.

Que tal conhecer os outros ambientes desse apê incrível? Clique abaixo para não perder o Capítulo 2!

Continua-final

Fotos por Rafaela Paoli, do Estúdio Pulpo

Deixe seu comentário 15 Comentários

  1. Amei sua casa Diana! Cada detalhe mais lindo que o outro. Adorei o cantinho com a escada que foi do seu avô! Aguardando o capítulo de amanhã.

    Responder
  2. Ai, que lindo! A mesa de jantar é igualzinha a minha! Sou apaixonada por esta mesa.

    Responder
  3. Oi Diana! Que linda a sua casa! Estou doida por uma mesa de madeira como essa. Vc se importa de me dizer onde comprou? Obrigada, Erika 🙂

    Responder
    • Oi Erika, tudo bom?
      Nós também nos apaixonamos pela mesa de jantar da Diana, tanto que até fomos atrás de uma igual. A peça foi comprada na loja Depósito Santa Fé, mas infelizmente eles não possuem mais essa versão em Peroba, somente com tampo de Pinus. Mas quem sabe não te interessa também. 🙂
      Beijos

      Responder
    • Oi Erika! Obrigada pelos elogios 🙂 Como as meninas falaram, a mesa é do Depósito Santa Fé, tem pés de ferro e é de madeira bruta. No site ainda tem esse mesmo modelo, vale checar. É linda e bem resistente, daquelas que vão ficando mais bonitas com o tempo e o uso. Super recomendo!! Beijos

      Responder
  4. Nossa esse espaço é incrível! Adorei o detalhe da maleta e das coisas apoiadas direto no chão. Nunca tinha pensado nisso, mas ficou MUITO LEGAL!
    Parabens!
    http://www.vivendojunto93.blogspot.com.br

    Responder
  5. Linda casa! Feminina, mas com um toque neutro também.
    Queria saber como ela fez esse imenso rack suspenso…Foi comprado assim? Feito sob medida? E não é muito pesado pra prender na parede sem mão francesa? rsrsrs
    Muitas dúvidas!

    Responder
    • Oi Leticia, tudo bom?
      Amamos essa casa! Racks desse tamanho normalmente são feitos sob medidas em marcenarias. Se você reparar bem, nas fotos dá para ver que a peça tem uma emenda aqui, outra ali (não é uma chapa única de madeira, pois nem vendem desse tamanho). Normalmente a marcenaria prevê o peso da peça + livros e faz uma fixação que suporte isso, por isso talvez seja mais indicado encomendar do que tentar fazer por conta.
      Boa sorte!!! Beijos

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags