Beleza natural | Capítulo 2

Um apartamento acolhedor inspirado na praia

Apesar de já morar em São Paulo há sete anos, a arquiteta Manuela Albuquerque ainda preserva o espírito leve e descontraído de quem cresceu com os pés na areia – mais precisamente nas areias clarinhas de Ilhabela, no litoral do estado. Essa intimidade com a praia e com o mar se faz presente em cada detalhe de seu apartamento, dos quadros que evocam paraísos tropicais aos tons de azul pincelados em móveis, paredes e objetos. * Não quer perder nenhuma parte dessa história? Então veja primeiro o Capítulo 1.

Há alguns meses Manuela ganhou uma roommate, a amiga e estilista Amanda Engler Prudêncio, mas por sorte não foi nada complicado juntar as referências das duas: “Foi ótimo porque nossos gostos combinam muito e acabamos arrumando mais a área externa. Acrescentamos luzinhas, plantas, itens vintage… agora esse é o lugar onde mais nos encontramos e onde recebemos os amigos.”, explica a moradora. O famoso terraço fica sobre a laje da garagem do prédio e é um dos pontos altos do apê. “Ele virou nosso espaço preferido, pois nos proporciona a liberdade de ter um pedacinho de céu aberto. Uso-o sempre que possível, seja para um café da manhã em um domingo ensolarado ou para um jantar regado a vinho.”, completa.

O estilo de vida simples e despreocupado que a arquiteta aprendeu a amar também aparece nos elementos do pequeno quintal, como o piso de caquinhos cerâmicos ou o banco de madeira coberto de almofadas. Acostumada com as matas exuberantes do litoral, Manu diz que cultivar plantas em casa é uma boa maneira de compensar a ausência de verde na cidade, pois além de trazer alegria e harmonia para os ambientes, elas ainda servem como aliadas na decoração.

18-decoracao-apartamento-terreo-terraco-quintal-caquinhos-plantas

19-decoracao-terraco-quintal-caquinhos-plantas

20-decoracao-terraco-quintal-banco-madeira-almofadas-cores

21-decoracao-terraco-jardim-carrinho-suporte-plantas

22-decoracao-terraco-jardim-plantas-piso-caquinhos

A reforma no quarto de Manuela foi uma consequência das circunstâncias: quando o antigo piso de tacos começou a apresentar problemas e precisou ser refeito, ela aproveitou a deixa e reformulou o cômodo. “Nessa época eu já trabalhava com arquitetura, então me dediquei ainda mais. Elegi uma cor forte para a parede, desenhei um novo armário de marcenaria, escolhi os acabamentos e até a roupa de cama.”, conta ela, que usou a tinta beterraba como ponto de partida para o restante da composição.

Para poder se concentrar em seus projetos pessoais fora do horário comercial, a moradora otimizou a área útil do espaço e criou um home office com uma bancada de frente para a janela e um painel de cortiça autoadesiva na lateral que a ajuda a manter a organização. “Tudo o que tenho de mais especial está no meu quarto. Muitas peças trazem uma recordação importante, como por exemplo a escultura pensante que herdei do meu pai e hoje fica ao lado da cama.”.

No dormitório ocupado por Amanda o destaque vai para a cama vintage, um item cheio de histórias para contar. A estilista garimpou o móvel em um brechó de usados quando ainda morava no Rio de Janeiro e se apaixonou de cara. Infelizmente assim que ela chegou em casa descobriu que a peça era grande demais e por isso não passava pela porta (e nem pela janela!) de seu antigo apê. A solução foi guardar a cama em um depósito durante meses até voltar para São Paulo e conseguir colocá-la em seu novo quarto. Ufa! No fim a empreitada deu certo.

23-decoracao-quarto-parede-rosa-manta-etnica-cores

31-decoracao-parede-rosa-macrame-galho-boho

24-decoracao-quarto-detalhe-escultura-criado-mudo-quadros

25-decoracao-quarto-detalhe-criado-mudo-parede-rosa

26-decoracao-quarto-parede-rosa-manta-etnica-cores

27-decoracao-quarto-cama-vintage-ferro-almofadas-coloridas

28-decoracao-quarto-cama-vintage-ferro-almofadas-coloridas

29-decoracao-quarto-cama-vintage-ferro-verde-dourado-peseira

30-decoracao-apartamento-clima-praia-quarto-cama-vintage

Antes de vir para São Paulo Manuela queria descobrir a vida na ‘cidade grande’, onde tudo parece acontecer ao mesmo tempo. E conseguiu. Agora, apesar de curtir todo esse agito, a arquiteta valoriza mais do que nunca a atmosfera tranquila de Ilhabela. Nem tão lá, nem tão cá, o apartamento é uma junção graciosa desses dois mundos. “Um lar é criado a partir de sua história. Aqui houveram muitas histórias e muitas fases, sendo que os pedacinhos de cada uma delas permanecem vivos nos objetos que guardo.”, define Manu.

fim-final

Fotos por Luiza Florenzano

Deixe seu comentário 5 Comentários

  1. Que delícia de apê, um morar de verdade sem aquela cara de showroom. Minha deusa, que cama maravilhosaaaaa. Amei!

    Responder
  2. Adoro casas assim! Tão simples e tão chique ao mesmo tempo.

    Responder
  3. Apaixonada! Esse quintal lembra casa de vó. Puro aconchego. E a cama de ferro, muito amor 🙂

    Responder
  4. Meninas,o chão é de cimento queimado?

    Responder
    • Oi Adriane, tudo bom?
      Na verdade não tem cimento queimado nesse apê, não. Na sala é um piso de cerâmica normal, na cozinha é um tipo de pedra, nos quartos são tacos de madeira e no terraço são mosaicos cerâmicos, aqueles usados antigamente, sabe? Beijos!

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags