Uma casa para criar | Capítulo 2

Decoração inspiradora em uma casinha que é também um ateliê

Na medida ideal para os planos de Bruno Araujo e Marina Cardoso de Almeida, esse sobrado de 85m² em Pinheiros tem exatamente o que eles procuravam: ambientes confortáveis, elementos arquitetônicos originais e espaço extra para que o morador pudesse montar seu ateliê. Ele é designer, arquiteto e criador da marca Decarvalho Atelier, ela é arquiteta e seu escritório fica na mesma rua da casa – ou seja, em poucos passos Marina chega ao trabalho. Mais do que um lugar para chamar de seu, o casal encontrou algo que todo mundo busca: qualidade de vida. * Confira AQUI o Capítulo 1 dessa história.

“Adoramos abrir a porta e sentir que estamos em uma casa, regar as plantas, tomar um solzinho de manhã, mesmo que por apenas 5 minutos antes de começar a trabalhar”, eles falam. Bruno e Marina pensaram muito antes de fazer alterações nos ambientes, afinal quando se vive em um imóvel alugado é preciso analisar até quando e onde se deve investir, mas mesmo assim eles não abriram mão da reforminha em nome do bem-estar. “Nós, como arquitetos, sabemos o quanto morar bem faz diferença na vida cotidiana”.

Com o intuito de modernizar um pouco os acabamentos, mas sem descaracterizar a atmosfera de casinha de vila, o casal reformou a cozinha substituindo os azulejos velhos por novos modelos que seguem o formato dos antigos – o mesmo foi feito nos banheiros. O piso também foi repaginado, dessa vez com tinta epóxi branca. “Refizemos a marcenaria e abrimos mão de ter um fogão convencional. Optamos por um cooktop de uma boca só que usamos para cozinhar e às vezes até levamos para o quintal da frente.  Quando necessário compraremos uma segunda ou terceira boca, porém ainda não sentimos falta”, Bruno explica.

O espaço conta também com a mesa de jantar, resgatada em um depósito da família do designer e restaurada com tinta preta na base; e as cadeiras, garimpadas em um mercado de pulgas. Pendurado atrás da porta amarela, o macramê foi feito pela mãe do morador e evoca um ar artesanal que combina muito com o clima despretensioso da casa.

O quarto do casal tem uma decoração mais simples e traz poucos móveis, mas quase todos eles têm uma história bacana por trás. O baú que serve como criado-mudo, por exemplo, era usado para transportar rolos de filmes e foi comprado de um carroceiro. Já o móvel de apoio do outro lado foi feito com sobras de um experimento do designer e os pallets que formam a base da cama vieram de um galpão atrás do Ceagesp. Outra peça queridinha é o Mancebo Santiago, uma das primeiras criações de Bruno.

Até o banheiro mudou de cara com a chegada do casal. Além de trocar os azulejos, os moradores substituíram a cuba antiga por uma versão com gabinete garimpada em uma obra que estava sendo demolida. O espelho com moldura de madeira pertenceu à bisavó de Marina e estava esquecido na casa de sua mãe até ela resgatá-lo. Para completar, as paredes foram pintadas, a banheira deu lugar a um deck de madeira e o piso original, que havia sido pintado de preto por antigos inquilinos, foi restaurado.

“Uma casa com personalidade e vida é um lugar onde você percebe a vivência dos moradores. Acreditamos muito que quando imprimimos nossos gostos pessoais em um imóvel, ele consequentemente fica mais convidativo e aconchegante. Nossa casa é sem frescura, informal, leve, sincera, sem ‘esconderijos’. Tudo o que está à mostra é o que é, sem artifícios”.

Onde encontrar

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Fotos por Luiza Florenzano

Deixe seu comentário 14 Comentários

  1. Adorei!!!! E esse banheiro, gente! <3

    Responder
  2. Olá! Gostaria de saber onde posso encontrar o aparadorzinho que se vê lá fora, olhando de dentro da cozinha, abaixo de um vitrô e de uns pratos na parede. Obrigada!!!

    Responder
    • Oi Liliane, tudo bom?
      Essa peça já fazia parte da casa quando os moradores alugaram, acredita? Deve ser bem antiga. De repente você encontra algo nesse clima em lojas de demolição, sabe? Beijinhos

      Responder
  3. Uauuuu, amei, o banheiro é muitooooo bonito!

    Responder
  4. Olá! Qual o revestimento do banheiro? (parede cinza sobre os azulejos) – amei! Obrigada 😉

    Responder
    • Oi Carolina, tudo bom?
      Você acredita que esse efeito aconteceu por acaso? rs. Na verdade os moradores passaram um impermeabilizante chamado Viaplus1000 nas paredes, mas não gostaram do resultado final, então pintaram de cinza por cima. E essa mistura inesperada deu um efeito de desgaste. Legal, né?
      Beijos

      Responder
  5. olá, onde encontro aquelas bandeirolas escrito “dance”?

    Responder
  6. olá, gostei muito da cortina do banheiro. sabem dizer onde encontro ou de qual tecido é feita? obrigada!

    Responder
    • Oi Lu, tudo bom?
      O morador nos contou que a cortina foi feita com um tecido impermeável super simples comprado em uma cidade do interior. Talvez você encontre algo similar em uma loja de tecidos. Ele deu outra dica: mesmo usando o tecido impermeável é legal colocar uma cortina plástica transparente também, usando as duas juntas. Beijos!

      Responder
  7. Olá, vocês saberiam dizer a cor dessa porta amarela na escala pantone? Obrigada!

    Responder
    • Oi Thays, tudo bom?
      Infelizmente não temos o nome da tinta, e também não conseguimos saber a referência na escala Pantone. 🙁
      Dessa vez vamos ficar devendo, rs. Beijos

      Responder
  8. Olá! Qual é o nome da planta com as raízes aparentes na parede? Como ela é cultivada? Os efeitos criados pelas formas das raízes parecem adornos esculpidos. Lindo!

    Responder
    • Oi Andréia, tudo bom?
      Essa planta é uma orquídea chamada Vanda. Ela deve ser regada com borrifador, borrifando as raízes e folhas. E não gosta de sol direto. Dá para encontrar em algumas lojas de plantas/flores. Em SP, acho que vende no FLO Atelier Botânico.
      Beijos

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags