Cidadãos do mundo | Capítulo 2

O estilo multicultural de um casal que escolheu São Paulo como lar

Mudar de casa envolve bastante planejamento – ainda mais quando o novo endereço fica em outro país. A arquiteta Laura González Fierro e o economista Philippe Petalas se conheceram em Nova York, onde viveram durante 8 anos até que ele conseguiu uma oferta de emprego em São Paulo. Animados para encarar essa nova fase, os dois procuraram um apê pronto que não exigisse reformas. “Nós também acreditamos na memória de cada espaço, então, para nós, era importante manter o essencial do apartamento e incorporar a ele a nossa vida anterior, quase como um experimento para testar a nossa flexibilidade. O resultado foi fantástico e adicionou mais uma camada à nossa história juntos”, ela conta. * Ainda não viu o Capítulo 1? Confira AQUI. 

Um dos espaços onde Laura mais gosta de estar é o home office, um lugar pensado por ela em cada mínimo detalhe – com conforto, funcionalidade, muita luz e objetos que a moradora adora, como a coleção de livros e CDs preenchendo as prateleiras do piso ao teto. A maioria dos clientes de Laura fica em Nova York, e aos poucos ela está expandindo para outras cidades, como Miami, Cidade do México e São Paulo, por isso a arquiteta viaja bastante. Criar um escritório em casa foi a alternativa que ela encontrou para passar mais tempo com a filha Theodora e manter a rotina organizada, conciliando sua agenda ocupada de trabalho a uma vida familiar com qualidade.

Com um delicado dossel feito pelos próprios moradores, o quarto de Laura e Philippe tem uma aura mágica, como se fosse um refúgio secreto dos dois. “Nosso quarto é o nosso ninho de amor. O dossel em torno da cama nos faz sentir protegidos e isolados do resto do mundo”, ela diz. Uma das lembranças de infância favoritas de Philippe é de quando ele acordava durante as férias de verão e aos poucos ia ouvindo toda a atividade na casa acompanhada pelo canto dos pássaros no jardim – consciente ou inconscientemente, eles buscaram essa mesma sensação de calmaria ao montar o quarto. Na parede de cabeceira, atrás do tecido transparente, fica uma obra de Ines Esnal, amiga querida e também arquiteta. Com poucos objetos, a decoração homenageia o princípio da ‘forma segue a função’.

Como arquiteta, Laura queria que o quarto de Theodora fosse diferente do padrão convencional. “Eu queria criar um ambiente onde ela pudesse começar a apreciar alguma arte, então incorporei peças que eu sei que eventualmente chamarão sua atenção”. A moradora também tinha vontade de desenvolver algo único para a filha, e daí surgiu a ideia de criar um papel de parede para Theo. “Eu desenhei uma série de esboços em preto e branco com diferentes animais, plantas, flores e formas geométricas que se tornaram o item de decoração principal do quarto”, ela explica. No futuro, Laura pretende que a filha pinte os desenhos com sua ajuda, como se a parede fosse um imenso livro de colorir.

Acostumados a mudar de casa, de cidade e até de país com certa frequência, Laura e Philippe entendem que o conceito de lar não se baseia tanto no endereço em que estiverem, mas com quem escolhem compartilhar sua vida. Seu apartamento é o porto seguro de hoje, mas as histórias que ele guarda remontam a tudo o que o casal já viveu antes e depois de se conhecer.

Fotos por Luiza Florenzano

Onde encontrar

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:


COMENTÁRIOS # 2

  1. A cama de casal maravilhosa!! Adorei a luminária pirâmide! Super bom gosto!

    Responder
    • Sim!!! Essa luminária é divina. Veio do México. 🙂
      Tem lados espelhados e lados transparentes, muito legal.

      Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa

[instagram-feed]