Em meio às montanhas | Capítulo 2

Arquitetura e natureza se encontram em São Francisco Xavier

Há 20 anos, o arquiteto Francisco Fanucci e a bordadeira Madalena Fanucci aproveitam os finais de semana para esquecer a correria e se refugiar com a família em São Francisco Xavier, na Serra da Mantiqueira. Erguida sem grandes pretensões e decorada com simplicidade, sua casa é abrigo que conforta, como o próprio casal define. “Se faz sol, suas manhãs são lindas e suas tardes preguiçosas. Se faz chuva e frio, estamos lá dentro à beira do fogo”, dizem. Além do entorno e da vista impressionante, o lugar é especial por guardar muitas memórias vividas entre parentes e amigos queridos.

Pousada sobre as montanhas, a casa é um projeto do Brasil Arquitetura, escritório do qual o morador é um dos fundadores. Ao concebê-la, Francisco procurou privilegiar o convívio, por isso os espaços abertos: dentro e para fora. A cozinha, ponto de encontro de todos, talvez seja o principal deles. “Um amigo arquiteto que nos visitou certa vez disse o seguinte: ‘Nesta casa entra-se por onde deve-se entrar: pela cozinha!’. Pensávamos que as pessoas iriam entrar pela ‘porta principal’, a da sala, que dá para o pátio. Mas pela posição, facilidade e, principalmente conveniência, todos entram pela cozinha”, ele conta. Naturalmente, o ambiente se tornou o lugar preferido da família.

Tanto Francisco quanto Madalena gostam bastante de cozinhar na casa. Enquanto ele se encarrega dos pratos salgados, ela testa novas receitas de doces e bolos. Os sabores caipiras não poderiam ficar de fora, então a lista de iguarias inclui galinhada, costelinha de porco com quirera de milho, doces de frutas, pudins… mas também coisas gostosas de outras paragens. As panelas de ferro, as cestarias e os utensílios mais usados ficam à mostra no armário sobre a pia, assim o casal tem fácil acesso ao que precisa durante os preparos.

A casa tem 3 quartos e todos ficam lado a lado, na ala mais recolhida, porém as portas balcão de madeira permitem que os espaços se conectem com a varanda facilmente. “Eles são de fato bem aconchegantes nas noites frias com a lareira acesa ou debaixo de cobertas. É muito gostoso acordar em manhãs luminosas e sair na varanda para dar uma olhada lá fora e depois entrar pela tal porta principal atrás do cheiro saboroso do café. Pode-se dizer que os quartos são muito bons para dormir e para acordar”, o arquiteto fala.

O amor de Francisco e Madalena pela casinha e por São Francisco Xavier é fácil de compreender. Além de todas as vivências felizes que o lugar proporciona, ele também tem um gostinho de nostalgia para o casal, que de certa forma reconhece suas raízes ali. “Somos, Madalena e eu, do interior de Minas, de pequenas cidades próximas entre si. Passamos nossas infâncias no interior, com muito espaço livre, simplicidade e alegria. Coisas que encontramos aqui, em nosso segundo lar”.

Fotos por Luiza Florenzano

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA CASA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


COMENTÁRIOS # 2

  1. Sintam-se privilegiados. Vocês não moram,vocês flutuam. Belíssimo lar!

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa