Olhar de colecionador | Capítulo 1

Arte e design inseridos no apartamento e na rotina de uma família

Essa matéria foi produzida em parceria com a BOOBAM como uma homenagem ao Dia dos Pais, por isso escolhemos contar a história de um paizão apaixonado por arte e design: o Eduardo. São três filhos, muitas obras instigantes e peças eleitas a dedo compondo seu apartamento. Confira mais detalhes e visite a BOOBAM para descobrir as criações de novos artistas e designers brasileiros.

Arte, arquitetura e design. No lar dos empresários Eduardo e Camilla, essa tríade é o que guia a concepção de cada espaço: do hall de entrada ao quarto das crianças. O apartamento dos anos 40 fica na República, no centro de São Paulo, e esteve fechado durante 12 anos sem qualquer tipo de manutenção, porém os detalhes originais do projeto conquistaram o casal rapidamente. Para deixar o imóvel ainda mais interessante, eles procuraram o arquiteto Felipe Hess para idealizar uma reforma que preservasse o passado do lugar, mas também trouxesse novos elementos.

“Pensamos no Felipe porque sabíamos que ele iria respeitar a originalidade do apartamento, mas ainda assim propondo intervenções contemporâneas somadas a um belo projeto de interiores”, Eduardo lembra. As mudanças mais profundas da reforma foram realizadas na antiga sala de almoço, que agora é uma cozinha gourmet e se abre para a sala de jantar com portas de serralheria e vidro; mas houve também a junção de 2 quartos para criar uma grande sala de TV e de brincadeiras para os três filhos, além de alterações nos banheiros.

Uma das curiosidades do prédio que vale a pena comentar é que ele foi construído durante a Segunda Guerra Mundial, então a área onde hoje fica a garagem foi inicialmente pensada para ser um bunker. Atualmente, esse acesso é compartilhado entre três prédios erguidos na mesma época e pela mesma construtora: os edifícios São Thomaz (onde Eduardo e Camilla vivem), Santa Virgília e Santa Rita. Voltado para o verde da Praça da República, o edifício São Thomaz tem grandes varandas e janelas que descortinam a vista da cidade.

Os moradores contam que buscaram referências na arquitetura e no mobiliário modernista brasileiro e escandinavo da década de 1950 para compor os interiores do apartamento. “Desejávamos um clima aconchegante, integrado e sem excessos. Isso serviu de guia para que escolhêssemos tons neutros, optássemos por unificar alguns ambientes e preservar ao máximo os acabamentos originais através de um cuidadoso restauro”, falam.

A arte também se apresenta de diversas maneiras pelo apartamento, tomando conta de todos os espaços. A paixão pelo tema começou quando Eduardo e Camilla se casaram, mas cresceu muito desde então. Por sugestão da moradora, eles começaram a buscar obras de jovens artistas e com o tempo esse despretensioso interesse se tornou uma grande obsessão, como dizem. “Notamos que estávamos construindo uma coleção. Hoje a arte ocupa um lugar cativo em nossas vidas, mas de uma maneira mais madura e menos ansiosa do que nos primeiros anos. A escolha das obras que adquirimos é sempre um processo muito rico e leva em consideração a sua temática, que deve estar inserida no contexto de nossa pesquisa, o interesse pessoal e o senso estético”, definem.

O casal valoriza tanto a presença da arte em casa que alguns ambientes do apê foram pensados especificamente para instalações e obras de grande porte. “Tínhamos algumas obras que queríamos instalar e todo o projeto acabou sendo pensado tendo elas como elemento central”, Eduardo explica. Entre elas estão o tapete de concreto da Renata Lucas (Carpet, 2012); a parede de tijolos do André Komatsu (Tumor, 2010); a instalação do Jonathas de Andrade (Procurando Jesus, 2014) e a instalação do Marcelo Cidade (Mercado Neutro, 2008), na parede principal da sala.

Na curadoria do mobiliário e dos objetos que compõem a casa, esse olhar voltado para a arte também fala mais alto, porém vinculado à funcionalidade. “Sempre buscamos por aquelas peças que de fato tenham utilidade em nosso cotidiano e não apenas sejam um elemento estético”, o morador diz. Itens que unem arte e design em um mesmo conceito têm presença garantida no apê, assim como móveis garimpados pelo mundo todo: sejam vindos de pesquisas em sites de leilão, sejam garimpos em antiquários no Brasil e no exterior, ou até mesmo as peças desenhadas sob medida por Felipe para o projeto. * Quer saber mais sobre essa casa? Fique de olho no Capítulo 2 para não perder nenhum detalhe!

Fotos por Luiza Florenzano

CONTINUA

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 2

  1. Uau!!! Que apartamento incrível… Adorei tudo

    Responder
  2. Casa linda! Família Linda! Quero tudo. Inclusive ser amigo da família!

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa

[instagram-feed]