Entre mãe e filha

Um apartamento onde 2 universos se encontram: dos adultos e das crianças

Logo de cara o apartamento da atriz de teatro Luna deixa bem claro que aquele é um lar compartilhado entre mãe e filha. Ao mesmo tempo em que a decoração traz muitos elementos que traduzem o estilo e as referências pessoais de Luna, a casa também revela a presença da pequena Rubi, de dois anos. Os espaços não têm formalidades e carregam um ar lúdico, mas sem deixar que os brinquedos tomem conta de tudo – um verdadeiro encontro entre os dois mundos. Até porque, a moradora sabe o quanto é importante preservar sua individualidade e voltar a se enxergar como mulher, não apenas mãe. E a casa, naturalmente, faz parte de todo esse processo.

“Se a minha casa não refletisse a minha personalidade também, sinto que seria ainda mais difícil lidar com a perda da identidade da mulher que acontece quando o filho nasce. Por isso tento ter um equilíbrio. É a casa de uma mulher de 34 anos e de uma bebê de 2. A Rubi tem total liberdade. Sinto ela ocupando os espaços de uma maneira muito bonita”, Luna diz.

Até chegar ao formato atual, o apartamento passou por duas reformas. A primeira aconteceu pouco antes de Luna se mudar, há uns 10 anos. Nessa fase, o imóvel já tinha todos os quartos abertos e a cozinha era americana, mas ainda assim foi preciso fazer pequenos ajustes. O antigo forro de gesso foi removido para ampliar o pé-direito; o assoalho de madeira foi restaurado e todas as janelas foram substituídas. “A decoração foi feita bem aos poucos. Antes eu morava em um apê de 50m², então não tinha muita coisa. A mesa de jantar, por exemplo, não existia porque a minha prioridade na época era ter um piano, e não uma mesa”. Aliás, o piano é um dos xodós da casa, pois é uma herança de família que veio de navio da Alemanha.

Quando a atriz engravidou ela até pensou em se mudar, já que o apartamento tinha apenas um quarto, mas Luna era tão apaixonada pela casa que encontrou um meio de ficar. Com 5 meses de gravidez decidiu fazer uma segunda reforma para construir o quarto de Rubi. “A obra começou quando eu estava com 6 meses e acabou 15 dias antes do trabalho de parto. Obra sem emoção não vale, né”, ela brinca. Por indicação de uma amiga, Luna descobriu o trabalho da arquiteta Kika Camasmie e rapidamente se identificou com suas ideias. A arquiteta propôs deixar os espaços ainda mais abertos e incluir elementos naturais, como a porta de madeira de demolição que isola o quarto da sala ou a parede de tijolinhos descascada durante a reforma.

Luna queria que a casa continuasse aberta, bem iluminada e colorida – e assim foi. A prioridade da reforma era construir o quarto de Rubi, mas ela também acabou ganhando um quarto mais amplo e que pode ficar totalmente aberto para a sala. No espaço da filha, a decoração foi feita sem pressa, conforme suas necessidades e preferências iam surgindo. Papel de parede, tinta colorida, adesivos, pôsteres e uma cama de casinha: todos esses detalhes compõem o universo de Rubi. “Acho que ela curte muito a cama e a área onde estão os livros. Ela é apaixonada por eles, sem dúvida o brinquedo preferido (junto com os dinossauros)”.

Criar um filho já é uma missão desafiadora, ainda mais sendo uma mãe solo, mas Luna procura ser sua melhor versão, a mais real. “Sou a mãe possível que consigo ser. Tenho orgulho de ter tido uma menina. De criá-la para ser uma mulher livre, bem resolvida e corajosa. Estamos em um momento difícil, de intolerâncias surreais com as diferenças e do ódio como força. Tento valorizar para a Rubi o amor, o respeito e a liberdade”, conta. E assim, uma ao lado da outra, elas vão construindo um lar cheio de afetos. “A gente pode mudar de casa, de bairro, mudar a decoração ou as cores, mas é a nossa presença, o nosso time, que faz daqui o nosso lar”, Luna define.

Fotos por Luiza Florenzano

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 7

  1. Que lindas! Fui mãe solo por 16 anos, hoje meu filho tem 19, tenho certeza que o amor entre elas duas é o que faz da casa um lar e o que verdadeiramente deixa esse lar muito bonito. Não à intolerância, sempre!

    Responder
  2. To muito apaixonado por essas fotos, e esse quarto. Todo o colorido do apartamento é fantástico. Parabéns pelo post! 🙂

    Responder
  3. Que linda! Amei essas bolinhas de vidro presas à árvorezinha. Sabe onde encontro?

    Responder
  4. Olá! Sabem me dizer qual é o material da cuba suspensa naquele banheiro com a parede laranja? Me parece um granito ou moldada na pedra… Talvez me dizer também onde a moradora comprou a peça…Muito obrigada!

    Responder
    • Oi Andréia, tudo bom?
      Também pensamos que poderia ser um granito bruto. Mas não conseguimos descobrir de onde é… 🙁

      Responder
  5. Olá, adoro o Histórias de Casa! Vcs sabem me dizer onde encontro a plaquinha “vista pro mar”, que está na parede onde fica o aparador vermelho? Obrigada.

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa

[instagram-feed]