Momento de vida | Capítulo 2

Apartamento acolhedor que reflete o estilo dos moradores em cada detalhe

A arquitetura limpa, mas ao mesmo tempo repleta de atrativos, foi essencial na criação do lar da Tati e do Léo. Mesmo vazio, o apartamento já teria personalidade devido ao projeto, porém os moradores conseguiram elevar ainda mais o visual dos espaços usando peças que já possuíam, objetos das mais diversas origens e pequenos achados em viagens – até pedras fazem parte da decoração espontânea inventada por eles. Cada pequeno detalhe ajuda a compor a casa do jeitinho que o casal queria: com aconchego de sobra, ambientes amplos e uma linguagem minimalista, sem perder o calor.

Nem totalmente integrada, nem totalmente isolada, a cozinha se conecta com a sala de forma pouco óbvia, por meio de rasgos estratégicos na parede. Um deles fica logo à frente do fogão, então é possível cozinhar espiando o que acontece do outro lado. Um segundo mostra trechos da prateleira de concreto da mesa de jantar: “O gato adora perambular por ali, atravessando os ambientes”, Tati diz. Antes da reforma essa área com as plantas era parte da lavanderia, porém agora que foi incorporada à cozinha, virou um canto gostoso para tomar uma xícara de café pela manhã, cuidar dos vasos e sentir o sol nascente.

Após anos vivendo no apê antigo, onde a cozinha era bonita, mas pouco funcional, Tati e Léo quiseram priorizar a criação de armários e a entrada de luz natural. Foi assim que os arquitetos Felipe Hess e Lucas Miilher tiveram a ideia de usar tijolos laminados de 21 furos pintados de branco fazendo as vezes de cobogós. Como as peças são perfuradas, elas otimizam a iluminação e a ventilação, e deixam à vista parte dos ambientes de modo bem discreto. “É justamente este olhar sofisticado para materiais mais simples que nos atraiu. Por exemplo, a ardósia usada nas bancadas dos banheiros e da cozinha”, o casal explica. No lavabo, outra surpresa – a pia de pedra rústica veio de uma viagem à Minas Gerais e foi inserida no espaço.

A reforma também foi intensa no quarto do casal e tudo ali foi mudado. Aproveitando a deixa da obra, eles criaram um banheiro e um closet que não existiam originalmente. “Adoramos a forma como tudo se integra, sem isolar. O tijolo de 21 furos também está presente, permitindo a passagem da iluminação. Nesse cômodo, queríamos ter o essencial, sem exageros, e que a arquitetura falasse mais que a decoração”, contam. Como a parede divisória não vai até o teto, deu para aproveitar a parte de cima para cultivar mais plantas, para alegria de Léo – o jardineiro oficial da casa.

Os moradores completaram o espaço com itens de afeto que remetem a bons momentos, como os quadros acima da cama. “Um deles foi uma intervenção do Léo com a frase do poeta romântico Gonçalves Dias sobre uma antiga pintura de uma praia. Foi uma das primeiras peças que ele comprou quando chegou à São Paulo, de um vendedor de rua. Segundo ele, remete aos coqueiros e praias do Rio de Janeiro deixado para trás com a mudança, e representa uma ruptura para a nova fase paulistana da vida. Tem uma coisa também do gasto, da ação do tempo, das cores já esmaecidas. Um saudosismo romântico do que já foi. O outro quadro é uma foto tirada por ele em nossa viagem para o Uruguai, um lugar que adoramos. Os 2 quadros, lado a lado, parecem completar, de alguma forma, uma terceira paisagem”, Tati fala.

No quarto de Matias, a decoração traz um apanhado de coisas colecionadas pelos pais. Muitos dos brinquedos e livros foram da Tati ou do Léo durante a infância, e na parede estão dois quadros pintados pelo morador quando ele não tinha nem 10 anos ainda. Os barcos e a gaivota de madeira foram comprados em uma viagem feita logo após a descoberta da gravidez, então também são especiais, e o círculo colorido na parede foi pintado pelo casal. Na verdade, tudo tem uma história: o quadrinho de colagem com o nome do Matias, feito por Léo para a porta da maternidade; os penduradores das mochilas comprados no museu M.A.R, do Rio de Janeiro; quadros de artistas e amigos… o que se vê hoje no quartinho é uma mistura de muitos momentos da vida da família – e sempre há espaço para novas memórias. “Queremos que o quarto do Matias seja um ambiente estimulante para ele, sem ser muito temático. Que tenha coisas curiosas, cores ou objetos com alguma historinha. Queremos estimular a criatividade dele”, o casal diz.

De muitas maneiras diferentes, algumas sutis e outras mais visíveis, o apartamento reacende memórias de infância do casal. Tati conta que herdou de sua mãe – a rainha da organização – um pouco desse olhar. E Léo lembra que o piso da casa de seus avós também era de granilite, e que sempre cresceu ao redor das plantas. “Na verdade, são lembranças de casa de comidinha bem-feita, das coisas cuidadas com carinho, com amor”, eles falam. E é isso o que o casal busca fazer: transformar o apê em um lugar de histórias.

Fotos por Luiza Florenzano

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 27

  1. Olá! Amei esse lugar! Podem me informar que madeira clara dos móveis é essa? Parece haver também uma banheira interessante. De que é feita? Alvenaria com azulejos? E essa bancada escura do banheiro, que material é?

    Responder
    • Oi Sandra, tudo bom? Essa casa nos encantou MUITO.
      A madeira é carvalho americano. A banheira é de alvenaria com azulejos. E as bancadas são de ardósia.
      Beijos

      Responder
  2. Encantada com a simplicidade e a riqueza das matérias-primas, marcenaria e acabamentos. Tem uma cuba que me parece ser esculpida em um tipo de pedra, qual seria o material e onde foi adquirida? Há tempos procuro um fornecedor para uma cuba assim. Outra dúvida: o piso é granilite feito in loco ou os blocos foram adquiridos prontos? Obrigada!

    Responder
    • Sem palavras esse apartamento, né? <3
      A cuba de pedra rústica foi comprada em Minas Gerais. O piso de granilite foi feito in loco mesmo. Beijos

      Responder
  3. de onde é esse cobogó?

    Responder
    • Oi Ana, tudo bom? Na verdade não é um cobogó.
      São tijolos de 21 furos pintados de branco. Saem mais em conta e são fáceis de achar em lojas de materiais de construção.
      Beijos

      Responder
  4. Maravilhoso. Eu gostaria de saber de onde é o cabideiro na cor laranja do quarto de casal! Obrigada!

    Responder
    • Oi, tudo bom? O mancebo foi comprado em uma loja chamada Benedixt, mas é mais antigo. Beijos

      Responder
  5. O piso é gralinite mesmo ou outro tipo de revestimento?

    Responder
  6. Linda casa, clean e aconchegante ao mesmo tempo. 🙂
    Acredito que as bancadas de pedra são de ardósia cinza polida, usamos essa pedra em casa e é bem parecida. Muito mais barata que os granitos e eu, particularmente, acho linda a cor. Ela não é tão impermeável quanto os granitos, por isso pode apresentar algumas manchinhas com o uso, mas pra mim é o tipo de revestimento que envelhece ficando mais bonito. Porém é do gosto de cada um, né?
    Adorei o quartinho do filho também, só com o essencial, muito gostoso.

    Responder
    • Essa casa é amor puro! Nos encantamos por ela desde que o casal se mudou, e agora finalmente deu certo compartilhar a história deles por aqui. 🙂 As bancadas são de ardósia mesmo!

      Responder
  7. Oi! Pode me informar de onde é esta cadeira? Obrigada!

    Responder
  8. Glorioso. Alguma dica prática pra manter/limpar os tijolos?

    Responder
    • Oi Andrea, tudo bom?
      Não chegamos a perguntar isso para a moradora, mas provavelmente seria necessário uma escovinha estreita ou algo assim. Bjs

      Responder
  9. Oi! Por favor, de onde esta cadeira de madeira que está na mesa? Obrigada

    Responder
  10. Sabem de onde são esses suportes de vasos?

    Responder
  11. Já curtia esse apartamento do site do Felipe Hess. Adorei vê-lo mobiliado. Gostaria de saber quem são os artistas dos quadros na parede atrás da cama de casal

    Responder
    • Oi Flavia, tudo bom?
      Contamos um pouco sobre os quadros no texto: um deles foi uma intervenção do morador com a frase do poeta romântico Gonçalves Dias sobre uma antiga pintura de uma praia garimpada com um vendedor de rua. O outro quadro é uma foto tirada também pelo morador em uma viagem para o Uruguai. Bjs

      Responder
  12. Poderiam me informar o autor do quadro sobre a mesa de jantar?

    Responder
  13. muito lindo o apto! uma delícia ver um projeto super clean mas cheio de personalidade. o sofá da sala é antigo? parabéns meninas!

    Responder
    • Oi Camila, tudo bom?
      Esse apartamento é demais. Ficamos namorando ele um tempão antes das fotos, rs.
      O sofá foi comprado no Mercado Livre, acredita? E depois reestofado de couro.
      Bjs

      Responder
  14. Mesa de jantar maravilhosa!! Cheia de estilo, contemporânea e muito prática, pois pode ser removida com facilidade pelo ambiente! Amei!!!

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa

[instagram-feed]