Forma de expressão | Capítulo 1

Arquitetura interativa e arrojada em um apartamento antigo

Uma casa e todas as memórias que ela guarda não podem ser resumidas de uma vez só, então por aqui fazemos diferente. Ao invés de concentrar todos os detalhes e fotos em uma única matéria, criamos pequenos capítulos para que você possa curtir essa visita durante vários dias. É só acompanhar a ordem pelo título dos posts e apreciar o passeio sem se preocupar com o relógio. 

Cada trecho do apartamento de Nabila Sukrieh guarda um detalhe especial: cobogós, forro de madeira, ladrilhos hidráulicos coloridos, portas de ferro e por aí vai. Arquiteta, a moradora se uniu à Camila Stump, sua dupla no Estúdio Minke, para criar um espaço que traduz seu olhar sobre a arquitetura e sobre o conceito de lar. “É muito interessante viver em um lugar projetado por você mesmo, pois sua casa reflete tudo aquilo que você pensa. Acredito que o apê, antes de ser pensado como lar, foi pensado como layout, design e texturas, e agora sim ele está no processo de realmente virar um lar, estamos nos conhecendo”, ela conta.

Nabila se mudou há menos de um ano após uma reforma intensa de apenas três meses. Com janelas generosas, detalhes arquitetônicos charmosos e uma planta flexível que permitia a integração dos cômodos, o apartamento no Higienópolis não demorou a conquistar a arquiteta. “Reinventamos o layout e colocamos revestimentos novos. A ideia era reformar tudo o que fosse preciso, mas sem perder aquele ar antigo”, explica. A sala ampla é resultado de muito quebra-quebra – antes setorizado, o ambiente se tornou multifuncional e ganhou divisórias criativas, como o painel de madeira que isola o home office ou a própria serralheria da cozinha.

Talvez por influência do bairro e do prédio, a arquitetura do apê traz algumas referências retrô. Por outro lado, os acabamentos industriais e o mobiliário com diferentes tons de madeira dão um ar contemporâneo aos ambientes. Para unir o melhor dos dois mundos, Nabila e Camila desenharam um projeto que valoriza o passado da construção, mas ao mesmo tempo traz novidades. Diversas texturas e cores se misturam pelos espaços gerando pontos de destaque. Um exemplo é o piso de ladrilhos hidráulicos azuis próximo à janela da sala – as esquadrias foram pintadas no mesmo tom, criando um efeito que surpreende.

Outra intervenção colorida feita pela moradora é a parede rosa da sala de jantar, uma ideia nascida após a reforma ter sido finalizada. “Estava achando essa área muito apagada perto do restante”, ela diz. Para definir a cor da tinta, Nabila usou como inspiração os quadros que já estavam no ambiente – e que levam sua assinatura, assim como outras gravuras espalhadas pelo apartamento. “Sempre amei a ideia de sobrepor coisas da mesma cor. Além disso, esses desenhos são os meus preferidos. Os criei para ilustrar um livro de contos do meu pai que leio desde pequena”.

Além de algumas relíquias trazidas de viagem e garimpadas em antiquários, como a vitrola estampada ou a dupla de cadeiras de auditório assinadas por ninguém menos que Sergio Rodrigues, a decoração tem diversos móveis idealizados por Nabila e Camila. Desde que a arquiteta comprou o apê, ela sabia que queria um mobiliário grande e com bastante presença na sala – assim surgiu a estante, feita com dois tipos de madeira e estrutura em serralheria. O mesmo material se repete nos módulos hexagonais no ‘lounge’, onde a moradora recebe os amigos e toca violão. “Procuramos manter nossos projetos e designs com bastante identidade própria”.

A integração mudou totalmente a cara do apartamento. Dos três quartos originais, apenas um foi mantido – e o corredor escuro com várias portinhas saiu de cena para dar espaço a uma área ampla e cheia de elementos que chamam a atenção. “A casa reflete 100% minha personalidade, coloquei tudo o que queria nela. O apê tem um ar experimental, tanto no uso quanto na estética, o que sempre cria situações novas. Não é nem um pouco monótono”. * Ei, essa história não acaba por aqui… é só clicar no ‘Continua’ para ler o Capítulo 2.

Onde encontrar

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Fotos por Gisele Rampazzo

Deixe seu comentário 7 Comentários

  1. Que delícia de apê! Parece uma casa gostosa, parece um abraço da minha avó <3 <3 Ainda tem a serralheria, que deixou a casa moderna. Adorei as cores pontuais e o uso da madeira. Ansiosa para ver o próximo capítulo!!

    Responder
    • Oi Maíra!
      Que sentimento gostoso a casa te despertou né? Não tem coisa melhor do que abraço de vó!!! 🙂
      Muito amor por esse apê tão único. Beijos!

      Responder
  2. Onde eu acho esses quadros de coração?

    Responder
  3. Que decoração mais linda. Bem do jeito que eu gosto. Cheio de personalidade e vida! Os tons usados são os mesmos do meu ap. Ansiosa pelo próximo capítulo ❤️

    Responder
  4. Rs…até os cobogós brancos, plantas, piso hexagonal e vaso de pato ❤️ quanta coincidência legal! Só mais um detalhe: conheci faz pouco tempo o blog, mas já gosto muito. É gostoso de ler e de olhar. E quando a gente enxerga um pouco da nossa casa nas histórias das outras casas também…é ❤️

    Responder
    • Oi Kamilla! Tudo bom?
      Ownnn, seja bem-vinda ao blog. 🙂 Espero que continue curtindo e se inspirando por aqui… Se sua casa tem os mesmos materiais + ideias desse apê, certamente é linda! Parabéns pelo bom gosto, hehe.
      Beijão

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags