Vida leve | Capítulo 2

Um apartamento colorido e luminoso que traduz a alma dos moradores

Quem entra no apartamento de Luna Grimberg e Gabriel Setubal pela primeira vez é surpreendido por um grande espaço repleto de plantas, objetos curiosos e muita luz. Com poucas divisórias entre uma coisa e outra, a sala se integra à cozinha, ao corredor e até ao escritório com fechamento de vidro. O fato de o apê ser todo aberto muda a cara do lugar, mas muda principalmente o jeito de circular e de viver ali dentro. “Às vezes dá saudades de ter umas paredes, porque o que está acontecendo na sala de certa forma ocupa a casa inteira. Mas tem um lado positivo e agregador nisso”, Luna diz. * Quem ainda não leu o Capítulo 1 pode conferir a matéria completa AQUI.

Aproveitando a vantagem de poder alterar a fachada dos fundos do prédio, os arquitetos do escritório Vapor 324 e a arquiteta Nina Morelli propuseram uma intervenção bem significativa na cozinha: uma das paredes foi substituída por uma enorme janela de ponta a ponta com estrutura de serralheria – dessa forma o ambiente está sempre bem iluminado. Outro detalhe interessante no projeto é o piso com tons de verde e peças de tamanhos variados, compondo uma padronagem desigual.

A janela do quarto do casal, também de dimensões grandiosas, é uma das coisas que eles mais gostam no apartamento, então a reforma foi pensada para valorizar essa entrada de luz e a vista para o bairro Higienópolis. Isso explica porque a cama fica voltada para fora e centralizada na planta do cômodo. Desenhada pelos arquitetos, a estrutura de marcenaria une armários e cama em uma única peça, otimizando ao máximo o uso do espaço e trazendo mais privacidade aos moradores mesmo quando a porta do quarto está aberta.

Uma das surpresas da obra foi encontrar uma viga invertida na lateral do quarto. “Esse lugar era uma espécie de altar estranho no apartamento antigo, mas depois descobrimos a viga que não dava para mexer. Então fica esse degrau e não há o que fazer”, Luna explica. Para que a área não se tornasse um canto perdido, os arquitetos sugeriram a criação de um sofá com futon e nicho para sapatos na parte inferior. O casal adorou o resultado – principalmente agora com o papel de parede floral da marca branco. “O papel criou um microclima dentro do quarto. Como se você pudesse estar em outro ambiente sem ter paredes ou portas fazendo a separação”, ela completa.

A poucos passos de distância fica a varanda, o refúgio secreto do casal bem no meio da cidade. Pequenas árvores e vasos de temperos se encarregam de trazer frescor ao espaço ensolarado, enquanto o chuveirão e as cadeiras de praia estão sempre a postos para o deleite dos moradores nos finais de semana. Dali, Luna e Gabriel podem contemplar a arquitetura modernista dos prédios do bairro, o verde do Parque Buenos Aires e o movimento de pessoas pelas ruas.

Futon azul da marca Futon Company

Papel de parede Liberty Cinza, de Sandra Jávera, da marca branco. papel de parede

Estar à vontade. Esse era o principal desejo de Luna e Gabriel em sua casa, por isso cada escolha reflete essa busca: os armários abertos, os móveis onde eles podem se esparramar, as músicas do morador tocando ao fundo, os objetos bem-humorados, as plantas espalhadas… traços de um lar onde a vida segue leve, como deve ser.

Onde encontrar

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Fotos por Rafaela Paoli

Deixe seu comentário 2 Comentários

  1. Que oásis!! Queria muito saber de onde é esse piso verde mara, vcs sabem dizer?? E também os ladrilhos vermelhos… sou fã <3

    Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags