Casa de vila que é puro aconchego

Nesse lar a decoração acontece aos poucos e mistura o estilo dos moradores

“A gente sempre brinca que as nossas visitas não querem ir embora nunca. Esse é o clima daqui. De aconchego, sem grandes pretensões… um lugar gostoso e sem frescuras onde podemos reunir as pessoas que amamos”. É assim que a roteirista Ana e o advogado Alfredo definem sua casa de vila em Perdizes.  Para eles, a parte mais legal de viver em uma vila é poder interagir com os vizinhos de forma mais próxima, criando uma mini comunidade. “Tivemos a sorte também de encontrar pessoas muito bacanas e da nossa idade, então vira e mexe rola happy hour na casa de um ou de outro”, brincam.

O casal descobriu a casinha charmosa há quatro anos, e a ideia de ter mais espaço e uma área externa agradável os motivou a encarar uma grande reforma para atualizar o imóvel. Ana lembra que a divisão dos ambientes era um tanto ultrapassada, com salas apertadas e janelas pequenas, por isso eles decidiram reunir a sala de jantar e a sala de estar em um único cômodo. Outra mudança determinante para dar o clima de aconchego à decoração foi a substituição das esquadrias metálicas originais por janelas de madeira em vãos ampliados que garantem uma boa entrada de luz natural. Apesar dessa transformação intensa na parte interna, Ana e Alfredo preferiram manter a fachada original, que data dos anos 60, pois ela remete às casas de antigamente, como a da avó da moradora.

Sabe aquelas casas que vão ganhando forma aos poucos? O lar de Ana e Alfredo é assim: a decoração foi (e está sendo) feita com calma, sem pressa de montar os espaços apenas para terminá-los e pronto. “A gente só coloca algo na decoração quando gosta muito”, explicam. Entre essas relíquias queridas estão o prato trazido de uma viagem à África do Sul, o sofá rosa, a vitrola e a foto de Bárbara Wagner, de um senhor brindando com uma cervejinha. “Fizemos questão de colocar em frente à porta, como uma espécie de boas-vindas a quem entra”, eles falam. O bar com pés palito também tem uma história legal, pois foi encontrado por acaso nos fundos de uma loja na Avenida São João, no centro de São Paulo, em meio a geladeiras quebradas, e hoje é um dos destaques da sala.

Quando o casal decidiu morar junto, eles sem querer descobriram que tinham gostos bem parecidos. “Juntamos nossos móveis e vimos que a coisa poderia dar certo. Os nossos estilos combinaram sem muito esforço. O Alfredo é mais clássico e eu um pouco mais ousada, pero no mucho”, Ana diz. Esse encontro acabou rendendo um contraste interessante, como por exemplo o sofá de couro preto ao lado do modelo de linho rosa, ou a poltrona marrom que divide o mesmo ambiente com um papel de parede floral.

O que torna essa casa tão deliciosa são as coisas mais simples: flores no vaso, a rede esticada no jardim, o contato com os vizinhos, um chá quentinho ou um disco da Billie Holiday tocando de fundo. Isso sem falar na melhor e mais importante mudança de todas: a chegada de Nina, filhinha recém-nascida do casal que veio para deixar os dias ainda mais felizes.

Fotos por Maura Mello

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


COMENTÁRIOS # 4

  1. Que casinha mais gostosaaaaaa!!!! Adorei!!!

    Responder
  2. Linda! Simples e aconchegante!!!

    Responder
  3. A casa é um encanto!

    Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa

[instagram-feed]