Viver sem pressa | Capítulo 2

Muitas surpresas em um apartamento com jeito de casa

O grande pé-direito e a boa luminosidade das janelas são os detalhes que Luciana Pitombo e Felipe Nogueira Stracci mais amam em seu apartamento em São Paulo. Com características típicas dos anos 50, época em que o prédio foi construído, a arquitetura dos espaços foi aprimorada pelos moradores, que juntos comandam o estúdio Plantar Ideias. “Quando começamos a reforma, estávamos também organizando nossa festa de casamento, ou seja, nosso orçamento era bastante enxuto. Por isso optamos em fazer as mudanças mais essenciais e de maior impacto no apê”, eles contam. * Leia também o Capítulo 1 dessa história. 

Integrada à sala durante a obra, a cozinha aberta é o ponto alto do apartamento. Para começar, ela também exibe as tesouras de madeira do telhado, o que a deixa com ares de chalé ou casa de praia. Outro fator de muita importância para o casal era a mobilidade, por isso o ambiente é composto por móveis soltos, que podem tanto mudar de posição quanto ser levados para um futuro endereço: ao lado do fogão, por exemplo, um carrinho de madeira funciona como uma extensão da bancada, auxiliando no preparo das refeições. Segundo Luciana, a iluminação e os acabamentos mais industriais, como cimento queimado e inox, arrematam o espaço dando um toque especial.

“Um dos motivos que nos levou a integrar a cozinha com a sala foi justamente a possibilidade de receber com maior conforto e facilidade os amigos e familiares. Assim todos ficam juntos o tempo todo e podem conviver ao mesmo tempo”, Luciana diz. Com a retirada das paredes, o apê que já era espaçoso e iluminado se tornou ainda mais amplo e repleto de luz – “Mas acreditamos que o maior ganho foi a atmosfera de casa que ele conquistou”, a moradora completa.

Privilegiado com uma pequena varanda com vista para as árvores, o quarto do casal traz uma decoração leve e ao mesmo tempo bastante funcional, como os moradores sonhavam. As cores aparecem de forma pontual (nas portas, na roupa de cama e na cabeceira), mas são os objetos e móveis que trazem personalidade ao ambiente. As mesinhas de cabeceira, por exemplo, são do designer Felipe Protti e vieram da Tofiq House, um clube de arte e incubadora de jovens artistas que Luciana e Felipe tiveram o prazer de ajudar a construir e idealizar – além disso, foi nesse espaço que eles realizaram seu casamento, portanto as peças evocam boas lembranças.

“Gostamos de colocar a mão na massa e testar soluções mais criativas e econômicas, algo que nos faça pensar em um design mais inteligente com materiais inusitados”, eles falam. Foi em um desses momentos de criação que surgiu a ideia de usar cortinas levemente transparentes no lugar das portas convencionais do guarda-roupa. “Assim como na sala, nós não queríamos a TV tão aparente, mas já que no quarto não havia a possibilidade de embutir um telão no forro, optamos por esconder o aparelho com as cortinas e ao mesmo tempo usá-la para fechar o armário”, Luciana explica.

Além do estilo pessoal de Luciana e Felipe, o apartamento exprime as referências profissionais do casal. Como eles trabalham mais com projetos de áreas externas, os espaços do apê acabaram assumindo um pouco esse clima também. “A Plantar Ideias surgiu da vocação do Felipe para o paisagismo e da minha para as questões mais urbanas. Precisávamos de uma visão mais global que fosse do macro ao micro, e o design entrou exatamente nesse ponto. O que buscamos com o design é trazer de forma lúdica e com referências da natureza peças que sejam adequadas ao tempo e que possam perdurar ao longo de muitas vidas”, eles definem.

Onde encontrar

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Fotos por Isadora Fabian, do Registro de Dia a Dia

Deixe seu comentário 7 Comentários

  1. Muito amor essa apartamento! Sou estudante de arquitetura e me fascina ver projetos tão autênticos e cheios de vida. Muito inspirador

    Responder
  2. Olá, prezados! Parabéns!
    Belo apartamento, bela decoração!
    Gostaria, por gentileza, de ter informações e o contato de quem aplicou o cimento queimado.
    Muito grato. Atenciosamente,
    Rafael

    Responder
    • Oi Rafael!
      Conseguimos descobrir algumas informações sobre o cimento queimado: os moradores utilizaram um material que chama Bautec. Que é um cimento queimado com resina pré-pronto, e quem aplicou foi o próprio empreiteiro da obra. Segundo eles, é uma aplicação mais simples do que fazer o próprio cimento queimado.
      Espero ter ajudado. Beijos

      Responder
  3. Gostaria muito de saber a referencia desse amarelinho das portas

    Responder
    • Oi Juliana, tudo bom?
      Falamos com a moradora, mas infelizmente ela não tem mais a referência exata da cor. Porém ela sugeriu a cor Amarelo Limão da Colorgin (usada em alguns detalhes do apê).
      A partir dessa referência você encontra uma tinta com o mesmo tom das janelas. 🙂
      Beijo

      Responder
  4. Como eu amo visitar estas casas-apês com alma de casa. Entro sem bater e fico horas, olhando do teto ao chão, tão encantada que quase perco a hora! Obrigada!

    Responder
    • Oi Amanda, tudo bom???
      Que alegria ler isso! Fazemos o blog com muito carinho, então é super legal que você curta acompanhar as postagens. Obrigada!! Beijos

      Responder

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

Categoria

Histórias

Tags