Todos os sentidos | Capítulo 1

Um casal que criou um lar acolhedor com clima zen usando boas ideias

Apenas o olhar não é suficiente para assimilar a essência da casa de Paloma e Francisco: é preciso usar todos os sentidos. Quem chega ao endereço do casal na zona sul de São Paulo é recebido com sorrisos escancarados, música leve tocando de fundo, aroma de incenso, texturas muito convidativas ao toque e, dependendo da hora do dia, um café da manhã quentinho. Sim, não há sentido que fique de fora, e os moradores sabem bem que esse conjunto de pequenos detalhes influencia totalmente no clima de bem-estar que seu lar proporciona – não só para eles, mas também para os amigos que têm a sorte de se hospedar ali de vez em quando.

Tudo isso se explica quando Paloma conta um pouco mais sobre o seu trabalho. Ela é designer de interiores, artesã e professora de yoga, então pensar nessa conexão entre espaços e sensações é algo instintivo para ela. Mas o Francisco, ou melhor, o Kiko, não fica de fora: ele é modelo, porém também curte fazer peças artesanais em seu tempo livre, como luminárias e mesas de madeira rústica. Com um casal tão talentoso, era natural que a casa se tornasse um lugar de inspiração.

Antes de encontrar essa casa para alugar, o casal vivia no Rio de Janeiro, em um lugar muito especial no Vidigal com uma vista incrível da paisagem carioca. “Foram três anos e meio lá. Éramos vizinhos e começamos a namorar depois de uns 4 meses de convivência porta com porta. Destino é destino, né?”, Paloma brinca. Ela diz que a casa antiga era uma delícia também, mas a mudança para São Paulo acabou sendo inevitável por conta do trabalho de Kiko. Ele estava passando temporadas cada vez mais longas na cidade e a distância começou a pesar, então os dois decidiram se mudar de vez.

“Queria uma casinha, com luz entrando e algo que eu não precisasse reformar. Eu disse que se encontrasse uma casa assim, a gente se mudava, mas nunca pensei que seria tão rápido. Era para ser, acredito muito nisso. Encontramos a casa prontinha, não tivemos que mexer em nada, estava impecável. Então só entrei com a decoração (que ainda não está totalmente pronta)”, ela conta. Os espaços integrados, a cozinha com uma área descoberta e as plantas espalhadas pelos cômodos ajudaram bastante na transição entre Rio e São Paulo – o visual da praia faz falta, é claro, mas Paloma está feliz de trabalhar em uma cidade e frequentar a outra nos finais de semana só para curtir mesmo.

Como Paloma fala, o encontro deles com a casa era para ser. Até nos acabamentos a proprietária acertou, então o casal se identifica com tudo no projeto original. “Inclusive com o armário vermelho na cozinha, pois de acordo com o Feng Shui deve-se ter essa cor no ambiente”, explica. Ela e Kiko se interessam por estilos bem diferentes ao mesmo tempo: o lado zen e despojado, onde a madeira e os trabalhos manuais falam mais alto; e o lado moderno e industrial, com ferro, cimento queimado e acabamentos mais frios. “Como a casa já tinha a estrutura toda moderna, colocamos muitas plantas e madeira para aquecer. No final ficou uma mistura roots modernosa”, ela define.

Cada móvel ou objeto da decoração foi uma conquista. “Cheguei no Rio apenas com um sofá de pallet e uma poltrona que economizei para comprar. O Kiko também tinha só um sofá e uma mesa de centro. Como vocês podem ver, evoluímos muito juntos”, ela brinca. A cadeira de balanço de vime entra na lista dos xodós mais recentes, assim como o cantinho de temperos montado pela moradora com hangers para plantas que ela faz manualmente. Para decorar as paredes, o casal usou artes de amigos e conhecidos – assim além da função decorativa, eles são uma forma de manter essas pessoas sempre presentes.

Para duas pessoas que amam muito a natureza, a vida em São Paulo precisaria de grandes respiros para dar certo, e é isso o que o casal busca diariamente. Paloma e Kiko vão ao Parque Ibirapuera sempre que podem, viajam para a praia quase todo final de semana e ainda descobriram um parquinho cheio de árvores na rua de sua casa, onde podiam passear com a cachorra Lua todos os dias – infelizmente a Lua faleceu no início de maio e deixou todos que a conheceram de coração partido. “Até pouco tempo atrás tínhamos dois filhos, chamamos de filhos porque tratamos como tal. Nossa vida sempre foi adaptada para eles terem uma vida maravilhosa e assim a gente estaria feliz”.

Juntos nas melhores horas, e nos momentos difíceis também, Paloma e Kiko vão construindo sua história pouco a pouco, tendo a casa como pano de fundo para todos os sonhos e planos. * Curioso para ver mais? Acompanhe o Capítulo 2.

Fotos por Isadora Fabian, do Registro de Dia a Dia

CONTINUA

ONDE ENCONTRAR

PEÇAS INSPIRADAS NESSA HISTÓRIA

Adoramos seus comentários! ❤️ Conte pra gente o que achou:

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.


COMENTÁRIOS # 9

  1. Ola Paloma amei seu blog. Com certeza vai ser minha inspiração para minha nova casa em breve bjossss

    Responder
    • Oi Cleide, tudo bom?
      Obrigada pelo elogio. Na verdade o blog é feito por nós (Bruna e Paula), e nós visitamos a casa linda da Paloma porque amamos muito! 🙂
      Beijos

      Responder
  2. Sou suspeita em falar como adoro quando vcs falam de casa decoração e Feng Shui.. sou especialista nisso e ver essa filosofia propagar é muito gratificante.
    Adore seu blog.

    Responder
    • Oi, tudo bom?
      Que demais! Também somos ligadas em Feng Shui, demais saber que trabalha com isso. 🙂
      Sabemos que impacta muito a energia da casa. Beijos

      Responder
  3. A casa é pura inspiração , muito linda! Parabéns aos moradores pelo bom gosto e pelo artesanato que faz embelezando ainda mais seu cantinho ❤

    Responder
  4. produção maravilhosaa!!!

    Responder
    • Oi! A casa é incrível assim mesmo, hehe, só fomos lá registrar o dia a dia e a história do casal. Eles são mega talentosos. 🙂

      Responder
  5. Oi pessoal do HDC, tem como eu saber o nome da cor em que a sala é pintada nessa casa?
    Obrigada
    P.S.: O trabalho que vcs fazem é d+, parabéns!

    Responder
    • Oi, tudo bom?
      Na verdade as paredes são brancas mesmo. Mas dependendo da luminosidade parecem meio cinza claro, né? rs.
      Obrigada por acompanhar o blog!!! 🙂

      Responder

NOS VEMOS NO INSTAGRAM
@historiasdecasa